Leituras: Falso Espelho

Sempre quis trazer dicas de livros por aqui e falar da minha percepção a respeito da leitura deles. Não sou crítica, não manjo desses paranauês, mas acho legal dividir partes e reflexões que me tocaram durante uma leitura.

Sei que 2020 ainda não acabou, mas posso afirmar que Falso Espelho, da Jia Tolentino, foi meu livro preferido desse ano. Esse livro é daquele tipo que faz com que a gente queira ler tudo de uma vez, porque é uma leitura fluida e interessantíssima, ao mesmo tempo em que não queremos terminar muito rápido pra não ficarmos orfãos de algo que mexe tanto com a gente. Eu sou muito assim com os livros que eu gosto, ficou com “dó” de ler rápido demais e vou intercalando com outras leituras pra poder saborear cada página sem medo de acabar sem eu nem me dar conta. Aconteceu isso enquanto eu assistia a série Queer Eye. Não vi a quantidade de episódios de cada temporada e quando me dei conta, aff, acabou. Como assim????

Eu gosto muito de leituras sobre a sociedade, de análises de comportamento, de linhas do tempo e comparativos e acho maravilhoso quem sabe fazer essa vai e vem e consegue conectar todas as coisas de um jeito que faz sentido. Queria muito ser assim, mas minha cabeça bagunça um pouco as ideias. Talvez seja falta de prática, quem sabe exercitando mais a escrita eu consiga melhorar essa questão.

Não lembro ao certo onde foi que eu vi a indicação dessa leitura, mas provavelmente foi no instagram. Tenho uma pasta de arquivos só de referências de leitura, uma lista que nunca tem fim. Comprei, sentei pra ler e logo no primeiro capítulo o tema é internet. Era o assunto que eu estava questionando aos montes, repensando, querendo entender como tudo mudou tão rápido e como nos tornamos tão dependentes dessa conexão. Não lembro se já falei mas costumo brincar que são os livros que me encontram, e não o contrário e esse livro chegou exatamente num momento em que eu estava estudando sobre isso (até gravei alguns episódios do podcast sobre esse tema).

O livro tem 9 ensaios sobre temas diversos mas que se conectam entre si. Ela fala sobre casamento (uma visão com a qual me identifico demais sobre essa indústria milionária e performática que o casamento virou e sobre a não vontade de fazer parte de tudo isso. É possível viver com uma pessoa sem a necessidade de uma formalização, viu?); a respeito de mulheres “difíceis” e de como esse tipo de mulher quando está exposta na mídia, especialmente, tem suas vidas controladas e julgadas e de que como o sexismo está presente em tudo; sobre a construção das personagens mulheres na literatura (meninas que desejam viver grandes aventuras como Anne de Green Gables, adolescentes que começam a perceber que seu único destino é o casamento e mulheres adultas que lidam com a enfadonha vida de viver para marido, casa e família.

Ela também fala sobre sua experiência de participar de um reality show enquanto ainda era adolescente, sobre sua criação religiosa e sua experiência com drogas e sobre a cultura do estupro perpetuadas nas universidades através das fraternidades, além de falar das gerações de golpistas que se dão bem (como Trump e Bezzos).

Eu não queria terminar esse livro tão rápido (e nem foi tão rápido assim) e adoraria poder ser amiga da Jia, comer um lanche conversando com uma mulher tão inteligente, aqueles papos em que a gente mergulha nos assuntos e esquece de tudo ao redor. Sinto que termino essa leitura querendo ler mais autorAs mulheres (salvei todas as referências que ela cita no livro) e quero muito escrever mais, organizar melhor as ideias, colocar o que penso pro mundo, debater, estudar e aprender. Se eu pudesse recomendar só um livro pra você ler esse ano, certamente seria esse.

Pausas, análises, processos

Daqui a pouco faz um mês que eu não escrevo aqui. Acho que todos nós meio que perdemos a dimensão do tempo e a sensação é que agosto, o “mês eterno” passou num piscar de olhos. Que ano! E por que eu não tô escrevendo? Por que a escrita tá travada. Eu sento aqui, abro os muitos rascunhos que estão salvos, mas nenhum deles parece fazer sentido. Sabe quando você quer muito fazer uma coisa mas parece que algo te impede? É essa a minha sensação.

Tenho pensado muito sobre tudo isso: sobre as pausas, análises e processos pelos quais minha vida tem passado e entendido como eu funciono, compreendido melhor meus momentos, meu ritmo, como a vida acontece pra mim e tirando o peso da comparação com a vida de outras pessoas. Na internet é muito fácil a gente se comparar. E isso acontece por que nas redes a gente só vê o resultado, não o processo. A gente vê um pedacinho do que a pessoa é, a pontinha do iceberg de toda uma complexidade que é ser humano e achamos que “pra fulano tudo é fácil” quando na verdade criamos nossos avatares nas redes e fazemos uma curadoria do que compartilhamos.

No livro “Falso Espelho”, Jia Tolentino traz um conceito de teoria identitária muito interessante, de um sociólogo chamado Erving Goffman. Essa teoria fala diz que estamos representando o tempo todo em nossas interações sociais, como forma de criar uma impressão no público. Não que façamos isso de “má fé”, mas é natural que ajamos de formas diferentes, tipo quando a gente tá passando por um problema pessoal, mas no trabalho performa como se tudo estivesse bem (confesso que sempre tive muita dificuldade nisso). Goffman fala também quem em casa podemos ter a sensação de de não estarmos representando, de senti que estamos nos bastidores e isso faz muito sentido, ne? E olha só se não tem a ver com nosso comportamento nas redes sociais! Quem nunca olhou pra uma pessoa nas redes e pensou “essa pessoa ao vivo não é nada disso”? Esse livro tem me feito pensar muito e agora tô até lembrando de um vídeo que eu provavelmente já compartilhei aqui, mas acho que ilustra isso da performance nas redes.

Se por um lado temos acesso a muita informação, à possibilidade de conhecermos novas pessoas, culturas, de mostrar nosso trabalho, de dar voz a cada mais pessoas e causas, de ampliar nossa percepção do mundo, também estamos exaustas. O excesso de informação suga a nossa energia, faz com que tenhamos conhecimento de coisas sobre as quais não temos controle e não podemos mudar e de perceber toda a nossa impotência. Amplificamos nossas vozes através das redes sociais ao mesmo tempo em que criamos a ilusão da ação. Achamos que só o trabalho digital é importante e é claro que ele tem força, mas esquecemos que um discurso sem ações políticas e práticas, não provoca as mudanças significativas que queremos e precisamos no mundo.

E aí que entra a importância da pausa e da análise do que a gente tem feito. Essa é uma ação que precisa ser realizada com uma certa frequência para que possamos fazer os ajustes em nós e na direção na qual desejamos seguir. Só que essas análises precisam ser feitas sem pressa. Não é do dia pra noite. São processos diversos. Alguns levam mais tempo, outros menos. E se não respeitamos isso, criamos nossas personagens e vivemos uma vida que não é nossa, que é sobre o outro: suas opiniões e expectativas do que devemos ser.

Por aqui sigo num momento de revisão. Estar prestes a completar 32 anos tem me feito pensar onde cheguei e onde quero chegar, se faz sentido performar quem sou hoje ou se existem máscaras que precisam não apenas ser despidas, mas jogadas fora porque hoje não condizem com quem sou.

Ps. esse é o assunto também do Episódio 23 do Podcast. Para ouvir, clique aqui:

Comprei um leitor digital

49730832_677964869284732_8605012353865482240_n
Esse foi o primeiro livro que li

Mês passado me rendi ao leitor digital depois de muito tempo pensando se comprava ou não. Tenho muita dificuldade em ler no computador/celular por achar que a internet me distrai e embora tenha uma pilha grande de livros físicos na espera de leitura, também tenho bastante material de estudo de assuntos pelos quais me interesso que estão disponíveis na versão digital. Então, depois de muito tempo pensando nos prós e contras, decidi adquirir um Kindle.

Como escolhi? Pelo preço. rs. Entre o modelo comum e o PaperWhite, a diferença de valores era de quase o dobro. Como a diferença entre eles era a questão da luz embutida (muito usada pra ler no escuro – coisa que não faço), não achei algo tão relevante e optei pelo modelo sem luz. Perguntei no instagram sobre o que as pessoas achavam a respeito dos leitores, se usavam, quais as vantagens que viam nele e a maioria me disse que um dos pontos mais positivos é que passaram a ler mais depois de adquirir um. Vou listar alguns pontos positivos e negativos pra quem está na dúvida sobre investir ou não em um leitor digital.

Positivos:

  • Tem bastante autonomia de bateria;
  • É pequeno e poder ser carregado sem dificuldades;
  • Da pra encontrar vários e-books online gratuitamente disponíveis tanto no .mobi (arquivo próprio para o kindle) quanto em pdf);
  • Lê arquivos em pdf;
  • Tem dicionário embutido onde basta clicar numa palavra para encontrar sua definição;
  • Da pra destacar trechos do livro e fazer anotações da leitura;
  • A tela não tem brilho e não força a vista nem torna a leitura cansativa;
  • A Amazon tem o serviço de assinatura unlimited onde você pode, por um preço mensal, ter acesso a uma imensa quantidade de livros por um determinado prazo de tempo.

Negativos:

  • Os livros estarem disponíveis apenas em preto e branco (embora isso não seja um ponto determinante, ver a capa e a folha amarelada seria interessante);
  • Só vir com cabo USB, sem o conector para tomada.

Sou altamente fascinada por livros físicos e antes via uma certa competição entre eles e os leitores digitais, mas não tem que ser assim. Os vejo mais como alternativas diferentes de se atingir um resultado, que é ler/estudar. Fiquei bastante satisfeita com essa aquisição e só me arrependo de não ter feito isso antes.