Viver pra depois postar

brinde

Ultimamente venho passando por uma mudança na minha maneira de “existir online”. Na realidade já tem um tempo em que venho refletindo sobre estar conectada demais, sobre como compartilhar conteúdo e sobre a necessidade de postar o tempo todo para ser vista. Já indiquei aqui um vídeo da Nátaly Neri sobre slowblogging que tem muito a ver com esse momento que estou vivendo. Falando nisso,  agora as indicações da semana acontecem no meu instagram @virandovegana.

Acontece que tenho me sentido cansada e também tenho observado muitas pessoas falando sobre sentir a mesma coisa. Sobre como essa necessidade de gerar conteúdo o tempo todo tem exaurido nossas energias, sobre como compartilhamos e consumimos um conteúdo descartável, que em pouco tempo se perde no meio de tanta informação. Um exemplo nítido disso são os assuntos que estão em alta no momento. Ao invés de procurar entendê-los melhor, formular uma opinião e depois decidir se existe necessidade ou não de compartilhar algo a respeito, a gente segue compartilhando meio que sem critério. Entendo que alguns assuntos são super importantes e justamente por isso merecem um pouquinho mais de dedicação e averiguação. Em tempos de fake news, analisar se tornou item essencial.

E nessa de ser mais criterioso e “blogar devagar“, acabamos vivendo o dilema de “ser esquecido”, já que as redes sociais são feitas para que passemos a maior parte do tempo possível conectados a elas gerando conteúdo. Quando essa regra é quebrada, a relevância vai reduzindo. Nessa nosso ego grita e esperneia, porque afinal, a gente quer ser visto. E brinco nesse sentido porque eu entendo que quando queremos que nossa mensagem – o que é importante pra nós e acreditamos que é útil também para as pessoas – chegue a mais lugares, mas o algoritmo nos boicota, ficamos realmente chateados. Mas faz parte. Quem gosta do que a gente faz, fala e produz, acaba acompanhando nosso conteúdo independente desses detalhes.

Desde que vim reduzindo a quantidade de postagens (que começou no ano passado, quando comecei a rever muitas coisas na minha vida), embora meu alcance também tenha se reduzido, confesso que mesmo meu ego se chateando um pouco por não ver os corações e os seguidores aparecendo, sinto que estou mais em paz, sem aquela aflição doida de querer compartilhar tudo o tempo todo, sem querer fazer da vida um reality show e muitas vezes sem aproveitar de fato uma experiência para depois compartilhá-la. Nessa semana assisti uma apresentação musical linda. Filmei alguns trechinhos, guardei e postei no dia seguinte. Me senti bem por, mesmo registrando aquela experiência que tanto me tocou para compartilha-la com outras pessoas depois, consegui estar mais presente e menos preocupada em postar nas redes sociais. Gostei disso e pretendo manter as coisas assim.

Outra coisa muito, mas muito válida mesmo foi ter limitado a quantidade de tempo nas redes, especialmente no instagram que é a rede social que eu mais uso. Delimitei apenas duas horas diárias (que se for pensar é um baita tempo) e depois disso percebi que me sobrava tempo pra fazer outras coisas. Estou lendo e estudando mais e conseguido fazer muitas outras atividades. Bendita hora que comecei a usar essa ferramenta!

Não cogito a possibilidade de excluir todas as minhas redes sociais porque eu gosto de usa-las como uma forma de compartilhar minhas experiências além de aprender com muitas outras pessoas. Mas acho que a gente deve priorizar a nossa vida real, que vem sendo sacrificada em prol de um feed atualizado. Acho que a gente deve curtir o presente, registrar e depois postar, sem a necessidade imediata de compartilhar. Aliás, a gente também pode escolher não postar. Embora estejamos na era do “se não foi postado não foi vivido” podemos escolher o que postar e com quem compartilhar. Não precisamos transformar nossas vidas em um reality show onde cada passo é compartilhado. Manter algumas coisas offline, além de seguro, também faz bem. Algumas felicidades precisam ser vividas apenas do lado de cá da tela,

 

 

2 comentários sobre “Viver pra depois postar

  1. Oi tudo bem ? Pois bem tenho Instagram mas não publico nada apenas sigo pessoas que gosto e minha ansiedade piorou muito quando eu leio um monte de informação e não absorvo nada, fico ansiosa para consumir muita informação , parece que se não vejo aquele instagram que curto não estou me informando e que o tempo sem fazer nada é um desperdício …estou propondo o seguinte : Eu das 950 pessoas que seguia reduzi para 130 aproximadamente e tendo ficar me policiando cada vez mais em pegar o celular nem que for para destravar a tela e ver se tenho mensagens , esse negócio de querer consumir informações está me deixando doida mas espero que com pequenas mudanças consiga reverter…as redes sociais são ótimas mas também podem ser horríveis para quem não tem esse controle como eu …apesar que está todo mundo meio dependente disso não ?!

    Curtido por 1 pessoa

    • Oi Daniela. Eu entendo perfeitamente voce. Muitas vezes me senti ansiosa para ver as coisas que as pessoas postavam além de comparar minha vida com a delas. Uma solucao foi desativar temporariamente. Eu fiz isso por alguns dias e me ajudou mto!

      Curtir

Deixe uma resposta para DANIELA DIAS Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s