Escrever com afeto

Escrevi esse texto durante um exercício no curso de escrita criativa e afetuosa que fiz com a Ana Holanda, editora da revista Vida Simples. Conheci essa proposta de conseguir transformar o texto em um encontro com o outro através de uma amiga que me indicou o livro “Como se encontrar na escrita”, da Ana. Lê-lo reacendeu em mim a vontade de amadurecer e encontrar meu caminho através da escrita. A proposta da Ana é não ficar na superfície de um assunto, mas observá-lo com profundidade para conseguir contar histórias através de objetos e situações “banais”.

Tenho muita sensibilidade no olhar e sinto que as vezes não consigo transmitir em palavras o que sinto ao fazer um registro. Dia desses observei essas roupas no varal e resolvi fotografá-las para escrever sobre elas em algum momento. O momento apareceu e aqui está o texto.

67635782_374728266576086_2002717948472459264_n

No varal, a roupa pendurada exalando cheiro de amaciante estava sendo preparada para ser usada novamente. Mas dessa vez, lavá-la tinha outro significado. Não era só sobre remover o que estava sujo. Era despedida. Aquele era o adeus para as peças que por tanto tempo aqueceram e vestiram minha avó. As encontrei dentro de uma sacola em cima da cama de seu antigo quarto. Mas aquela cama já não tinha mais a conhecida colcha vermelha, nem colhão. Era só um estrado de madeira, dizendo que ali não era mais preciso descansar.

Olhar para aquelas peças me trouxe a lembrança dos dias frios, da vó sentadinha no sofá tomando café e das nossas conversas na beira no fogão de lenha e de como eu sentia o cheiro de fumaça sempre que nos abracávamos porque mesmo com a chaminé a fumaça do fogão adentrava a cozinha e defumava todo mundo que ficava ali.

Água e sabão levaram o cheiro da fumaça e os vestígios da sua presença naquelas roupas, naquela casa que foi palco de tantas histórias. Agora, novos corpos receberiam o calor daquela lã, novos cheiros conheceriam as tramas daquela tecido. Era tempo de deixar ir, sem nunca esquecer.”

67671346_2452509141472304_3134155073181974528_n

Um texto pequeno que fala sobre ausência e saudade. Esse curso me fez entender que sempre existe uma história a ser contada e que a gente pode e deve fazer da escrita uma ponte pra nos conectar com outras pessoas. E que isso pode acontecer de maneiras simples, porque o papel da escrita, como a Ana diz, é “fazer com que o texto deixe de existir em mim para morar no outro”. Sinto que é isso que quero que as pessoas sintam quando conversemos aqui, nesse espaço. Que possamos “tomar um café (ou um chá) juntas” ainda que quilômetros nos separem.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s